Marcos - Jesus, o Filho-Servo - Evangelho

Esboço

I - A Preparação para o Ministério de Jesus (1.1-13)

A} - O Ministério de João Batista (1.2-8)
B} - O Batismo de Jesus (1.9-11)
C} - A Tentação de Jesus (1.12,13)

II - O  Ministério Inicial na Galiléia (1.14–3.6)

A} - Os Quatro Primeiros Discípulos (1.14-20)
B} - Um Sábado em Cafarnaum (1.21-34)
C} - A Primeira Viagem de Pregação (1.35-45)
D} - Conflito com os Fariseus (2.1—3.6)

III - O Ministério Posterior na Galiléia (3.7—7.23)

A} - Retirada à Beira-Mar (3.7-12)
B} - A Escolha dos Doze Discípulos (3.13-19)
C} - Amigos e Inimigos (3.20-35)
D} - Ensinando Através de Parábolas (4.1-34)
E} - Ensinando Através de Obras Poderosas (4.35—5.43)
F} - Jesus em Nazaré (6.1-6)
G} - A Missão dos Doze (6.7-13)
H} - Herodes e João Batista (6.14-29)
I} - Milagres e Ensinos Junto ao Mar da Galiléia (6.30-56)
J} - Conflito com as Tradições (7.1-23)

IV - O Ministério Além da Galiléia (7.24—9.29)

A} - Duas Curas de Gentios (7.24-37)
B} - Mais Milagres (8.1-26)
C} - O Episódio de Cesaréia de Filipo (8.27—9.1)
D} - A Cena da Transfiguração (9.2-29)

V - A  Caminho de Jerusalém (9.30—10.52)

A} - Caminhando Através da Galiléia (9.30-50)
B} - O Ministério na Peréia (10.1-52)

VI - A Semana da Paixão (11.1—15.47)

A} - Domingo: Entrada Triunfal em Jerusalém (11.1-11)
B} - Segunda-Feira
1. Amaldiçoando a Figueira (11.12-14)
2. Purificando o Templo (11.15-19)
C} - Terça-Feira
1. Fé e Medo Quanto aos Discípulos (11.20-33)
2. Parábolas e Controvérsias (12.1-44)
3. O Sermão Profético (13.1-37)
4. Jesus é Ungido em Betânia (14.1-11)
D} - Quinta-Feira: A Última Ceia (14.12-25)
E} - Sexta-Feira
1. Jesus em Getsêmani (14.26-52)
2. Jesus Perante o Sinédrio (14.53-72)
3. Jesus Perante Pilatos (15.1-20)
4. Jesus Crucificado e Sepultado (15.21-47)

VII - A Ressurreição de Jesus (16.1-20)

A} - A Ressurreição Anunciada (16.1-8)
B} - Aparições Pós-Ressurreição (16.9-18)
C} - A Ascensão e a Missão Apostólica (16.19,20)

Autor: Marcos
Tema: Jesus, o Filho-Servo
Data: 55-65 d.C.

Considerações Preliminares


Dentre os quatro Evangelhos, Marcos é o relato mais conciso do “princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus” (1.1). Embora o autor não se identifique pelo nome no livro (o mesmo ocorre nos demais Evangelhos), o testemunho primitivo e unânime da igreja é que João Marcos foi quem o escreveu. Ele foi criado em Jerusalém e pertenceu à primeira geração de cristãos (At 12.12). Teve a oportunidade ímpar de colaborar no ministério de três apóstolos: Paulo (At 13.1-13; Cl 4.10; Fm 24), Barnabé (At 15.39) e Pedro (1 Pe 5.13). Segundo Papias (c. de 130 d.C.) e outros pais eclesiásticos do século II, Marcos obteve o conteúdo do seu Evangelho através da sua associação com Pedro, escreveu-o em Roma e destinou-o aos crentes de Roma. Embora seja incerta a data específica da escrita do Evangelho segundo Marcos, a maioria dos estudiosos o coloca nos fins da década de 50 d.C., ou na década de 60; é possível que seja o primeiro dos quatro Evangelhos a ser escrito.

Propósito


Na década 60-70 d.C., os crentes de Roma eram tratados cruelmente pelo povo e muitos foram torturados e mortos pelo imperador romano, Nero. Segundo a tradição, entre os mártires cristãos de Roma, nessa década, estão os apóstolos Pedro e Paulo. Como um dos líderes eclesiásticos em Roma, João Marcos foi inspirado pelo Espírito Santo a escrever este Evangelho, como uma antevisão profética desse período da perseguição, ou como uma resposta pastoral à perseguição. Sua intenção era fortalecer os alicerces da fé dos crentes romanos e, se necessário fosse, inspirá-los a sofrer fielmente em prol do evangelho, oferecendo-lhes como modelo a vida, o sofrimento, a morte e a ressurreição de Jesus seu Senhor.

Visão Panorâmica


Numa narrativa de cenas rápidas, Marcos apresenta Jesus como o Filho de Deus e o Messias, o Servo Sofredor. O momento culminante do livro é o episódio de Cesaréia de Filipo, seguido da transfiguração (8.27—9.10), onde tanto a identidade de Jesus, quanto a sua dolorosa missão plenamente reveladas aos seus doze discípulos. A primeira metade de Marcos focaliza em primeiro plano os estupendos milagres de Jesus e a sua autoridade sobre doenças e demônios, como sinais de que o reino de Deus está próximo. Em Cesaréia de Filipo, no entanto, Jesus declara abertamente aos seus discípulos que “importava que o Filho do Homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos, e príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto, mas que, depois de três dias, ressuscitaria” (8.31). Há numerosas referências em todo o livro de Marcos ao sofrimento como o preço do discipulado (e.g., 3.21,22, 30; 8.34-38; 10.30, 33,34, 45; 13.8, 11-13).
Apesar disso, a vindicação da parte de Deus vem após o sofrimento, por amor à justiça, conforme demonstrou a ressurreição de Jesus.

Características Especiais


Quatro características distinguem o Evangelho segundo Marcos: (1) Sendo um Evangelho de ação, ele enfatiza mais aquilo que Jesus fez, do que suas palavras. Daí, Marcos registrar dezoito milagres de Jesus, mas somente quatro das suas parábolas. (2) Como um Evangelho aos romanos, ele explica os costumes judaicos, omite todas as genealogias judaicas, a narrativa do nascimento de Jesus, traduz as palavras aramaicas e emprega termos latinos. (3) Marcos inicia seu Evangelho de modo repentino, e descreve os eventos da vida de Jesus de modo sucinto e rápido, introduzindo os episódios mediante o advérbio grego que corresponde a “imediatamente” (42 vezes no original). (4) Como um Evangelho vigoroso, Marcos descreve os eventos da vida de Jesus, de modo sucinto e vívido, com a perícia pitoresca de um gênio literário.

visualizar imagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário