1º Reis - Reis de Israel e de Judá - Historico

Esboço

I - O Reinado de Salomão (1.1—11.43)

A} - Salomão Sucede a Davi como Rei (1.1—2.11)
B} - Salomão Consolida Seu Cargo como Rei (2.12-46)
C} - A Sabedoria e Administração de Salomão (3.1—4.34)
D} - O Sucesso e Fama de Salomão (5.1—10.29)
1. Preparativos para a Construção do Templo (5.1-18)
2. Construção do Templo (6.1-38)
3. Construção do Palácio de Salomão (7.1-12)
4. Mobiliário do Templo (7.13-51)
5. Dedicação do Templo (8.1-66)
6. Confirmação do Concerto Davídico (9.1-9)
7. Realizações e Fama de Salomão (9.10—10.29)
E} - Declínio e Morte de Salomão (11.1-43)
1. A Manifesta Poligamia e Idolatria de Salomão (11.1-8)
2. O Castigo da Divisão do Reino Predito por Deus (11.9-13)
3. Deus Suscita Adversários contra Salomão (11.14-28)
4. A Profecia de Aías (11.29-40)
5. A Morte de Salomão (11.41-43)

II - A Divisão do Reino: Israel e Judá (12.1—22.53)

A} - A Consumação do Juízo da Divisão (12.1-24)
B} - Reinado de Jeroboão (Israel) (12.25—14.20)
C} - Reinado de Roboão (Judá) (14.21-31)
D} - Reinado de Abias (Judá) (15.1-8)
E} - Reinado de Asa (Judá) (15.9-24)
F} - Reinado de Nadabe (Israel) (15.25-31)
G} - Reinado de Baasa (Israel) (15.32—16.7)
H} - Reinado de Elá (Israel) (16.8-14)
I} - Reinado de Zinri (Israel) (16.15-20)
J} - Reinado de Onri (Israel) (16.21-28)
K} - Reinado de Acabe (Israel) (16.29—22.40)
1. Início do Reinado de Acabe (16.29-34)
2. Acabe e o Profeta Elias (17.1—19.21)
3. Batalhas de Acabe contra a Síria (20.1-43)
4. Acabe e a Vinha de Nabote (21.1-29)
5. Batalha Fatal de Acabe com a Síria (22.1-40)
L} - Reinado de Josafá (Judá) (22.41-50)
M} - Reinado de Acazias (Israel) (22.51-53)

Autor: Anônimo
Tema: Reis de Israel e de Judá
Data: Cerca de 560–550 a.C.

Considerações preliminares


Os fatos de 1 e 2 Reis vêm logo a seguir aos de 1 e 2 Samuel. Esses quatro livros em conjunto abrangem, de forma seletiva, toda a história dos reis de Israel e de Judá (c. 1050–586 a.C.). 1 e 2 Reis abrangem, cronologicamente, quatro séculos dessa história, do rei Salomão (970 a.C.) ao exílio babilônico (586 a.C.). 1 Reis, isoladamente, abarca cerca de 120 anos — o reinado de Salomão, de quarenta anos de duração (970–930 a.C.) e aproximadamente os primeiros oitenta seguintes à divisão do reino (cerca de 930–852 a.C.).1 e 2 Reis formavam, originalmente, um só volume no AT hebraico. Portanto, quanto à autoria são considerados um único livro. O último evento registrado (2 Rs 25.27) é a libertação do rei Joaquim da sua prisão em Babilônia (c. 560 a.C.). Por conseguinte, 1 e 2 Reis, na sua forma completa, provavelmente datam da década de 560–550 a.C. Não há menção nominal do autor, mas é evidente que se tratava de um historiador profético inspirado, que abordou os reinados de todos os reis de Israel e de Judá à luz do concerto de Deus com o povo hebreu. Está claro, também, que utilizou várias fontes literárias, citando-as nominalmente: (1) “o livro da história de Salomão” (11.41); (2) “o livro das crônicas dos reis de Israel” (14.19); (3) “o livro das crônicas dos reis de Judá” (14.29). Essas fontes literárias eram provavelmente registros escritos e conservados pelos profetas, e não anais oficiais da corte. É provável, ainda, que o autor tenha consultado outras fontes documentárias proféticas tais como as mencionadas em 1 Cr 29.29. Para uma visão panorâmica dos reis de Israel e de Judá, ver o diagrama dos REIS DE ISRAEL E DE JUDÁ.

Propósito


1 e 2 Reis foram escritos para prover ao povo hebraico no exílio babilônico uma versão bíblica da sua história, e assim compreenderem por que a nação dividiu-se em 930 a.C., por que o Reino do Norte, Israel, caiu em 722 a.C., e por que o reino davídico e Jerusalém caíram em 586 a.C. Os livros de Reis salientam que a divisão e o colapso de Israel e de Judá foram uma conseqüência direta e inevitável da idolatria e da impiedade dos reis e da nação como um todo. Tendo em vista esse fato, os livros abordam o sucesso ou fracasso de cada rei, de conformidade com sua fidelidade ou infidelidade a Deus e ao concerto. Esta perspectiva bíblica tinha por objetivo fazer com que os cativos repudiassem para sempre a idolatria, buscassem a Deus e cumprissem seus mandamentos nas gerações futuras.

Visão Panorâmica


1 Reis divide-se em duas partes principais: (1) A primeira descreve o reinado do rei Salomão (caps. 1–11). Os primeiros capítulos descrevem as circunstâncias que o conduziram ao reinado (caps. 1–2) e sua oração por sabedoria para governar a nação (cap. 3). Os sete caps. seguintes descrevem a ascensão de Salomão no âmbito mundial, e o apogeu de Israel em prosperidade, paz, poder e glória — tudo durante os primeiros vinte anos do reinado de Salomão. Durante esse período, Salomão edificou e dedicou o templo de Jerusalém (caps. 6; 8). O cap. 11 descreve o segundo período de vinte anos do reinado de Salomão — anos de sensualismo, de declarada poligamia, de idolatria e de desintegração dos alicerces da nação. Por ocasião da morte de Salomão, o caminho estava preparado para a divisão e declínio do reino. (2) A segunda parte descreve a divisão do reino, na época do filho de Salomão, Roboão, e os oitenta anos seguintes, de declínio político e espiritual dos dois reinos com sua sucessão à parte, de reis (12—22). Os personagens principais desta metade do livro são: os reis Roboão do Reino do Sul, e Jeroboão do Reino do Norte; o rei Acabe e sua perversa esposa Jezabel (Norte), e o profeta Elias (Norte).

Características Especiais


Quatro características principais distinguem 1 Reis. (1) Apresenta os profetas como os representantes e porta-vozes de Deus diante dos reis de Israel e Judá — e.g., Aías (11.29-40; 14.5-18), Semaías (12.22-24), Micaías (22.8-28), e principalmente Elias (17—19). (2) Salienta a profecia e o seu cumprimento na história dos reis. Registra numerosas vezes o cumprimento de profecias proferidas (e.g., 2 Sm 7.13 e 1 Rs 8.20; 11.29-39 e 12.15; cap. 13 e 2 Rs 23.16-18). (3) Reúne muitas histórias bíblicas bem conhecidas — e.g., a sabedoria de Salomão (3—4), a dedicação do templo (cap. 8), a visita da rainha de Sabá a Jerusalém (cap. 10) e o ministério de Elias, especialmente seu confronto com os falsos profetas de Baal, no monte Carmelo (cap. 18). (4) Inclui uma elevada soma de dados cronológicos sobre os reis de Israel e de Judá, cuja sincronização, às vezes, é muito difícil. A resolução satisfatória da maior parte desses problemas depende de reconhecermos os casos de prováveis reinados coincidentes em parte com outros, de co-regências de filhos com seus pais, e de modos diferentes de calcular as datas iniciais do reinado de cada rei.

O Livro de 1º Reis e o NT


No NT, Jesus declarou à sua geração que a grandeza da sua vida e do seu reino ultrapassam a sabedoria, autoridade, glória e esplendor de Salomão e do seu reinado: “Eis que está aqui quem é mais do que Salomão” (Mt 12.42).
Além disso, a glória de Deus que encheu o templo de Salomão, quando foi dedicado, veio habitar entre a raça humana, na pessoa de Jesus, o Filho Unigênito do Pai (Jo 1.14).

visualizar imagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário